Skip to main content

Myco’Screen Overview Global em matérias-primas 2021

By January 22, 2022January 22nd, 2024PT
Tempo de leitura : 4 minutes

Uma das etapas mais importantes na gestão das micotoxinas é a avaliação das micotoxinas nas matérias-primas e nas rações finais. Por esta razão, a Olmix criou o programa Myco’Screen Overview que visa colaborar com laboratórios independentes em todo o

mundo. Assim, a Olmix estabeleceu uma parceria a longo prazo com Labocea, um laboratório francês independente. Este laboratório realiza análises de micotoxinas com perícia científica em cromatografia líquida em simultâneo com espectrometria de massa, permitindo a detecção de mais de 45 micotoxinas por amostra testada. Todas as análises são recolhidas numa base de dados composta por cerca de 15 000 amostras até à data, recolhidas em todo o mundo entre 2013 e 2021.

Esta base de dados mostra que as principais micotoxinas a nível mundial continuam a ser o deoxinivalenol (DON), a zearalenona (ZEN), as fumonisinas (FUM) e, dependendo da região, as aflatoxinas (AFLA). Além disso, 94% das amostras da base de dados contêm 2 ou mais micotoxinas simultaneamente e 75% das amostras contêm mais de 6 micotoxinas, indicando que a policontaminação é comum.

Milho

O milho é a matéria-prima mais frequentemente contaminada, estando 99% das amostras policontaminadas (n=3200). A micotoxina mais frequente nos produtos de milho é o DON: 92% das amostras estavam contaminadas a um nível médio significativo de 755 ppb. Os laboratórios Labocea analisam um perfil completo de micotoxinas, e quantificam, para além do DON, também as suas formas acetiladas, como a 15-O-AcetylDON, e outros tricotecenos como o nivalenol. Estas micotoxinas são menos conhecidas, mas frequentemente encontradas e são consideradas ainda mais tóxicas do que o DON. 82% das amostras de material de milho é positivo para 15-O-AcetylDON e 60% para o nivalenol, que são micotoxinas duas vezes mais tóxicas do que o DON. A soma dos tricotecenos é expressa num equivalente de DON (DONeq), que expressa o DON e as suas formas relacionadas, incluindo a sua toxicidade relativa num único número. 94% dos alimentos derivados de milho e milho são positivos para DONeq com um valor mediano de 1405 ppb, considerado de alto risco para os animais.

As amostras de matéria-prima de milho também mostraram a ocorrência de ZEA e FUM em 79% e 78% das amostras, respectivamente. Globalmente, os níveis médios dessas micotoxinas situam-se dentro de níveis seguros. Contudo, as amostras originárias de regiões com climas quentes mostraram um aumento da ocorrência de FUM para 96% com uma contaminação mediana significativa de 1100 ppb. Da mesma forma, a ocorrência de AFB1 em amostras provenientes dessas regiões aumentou de 6% de amostras positivas para 31%, com a contaminação mediana a aumentar para um nível significativo de 11 ppb.

Cereais

Os cereais como o trigo e a cevada, são uma das principais fontes de DON e seus derivados. Dado que as culturas são cultivadas em climas mais temperados, encontra-se menos FUM e AFLA. De quase 2 000 amostras de cereais, 85% continham DON e 93%, DONeq. No entanto, apenas em 1% e 13% das amostras se detetou AFLA e FUM. Outras micotoxinas frequentemente encontradas nos cereais são alcalóides do ergot, presentes em 29% das amostras (105 ppb).

Sementes oleaginosas

As sementes oleaginosas, como a soja ou a colza, são de menor importância tendo em conta a contaminação por micotoxinas. Em soja e materiais derivados de soja foram detectadas em 40%, 29%, e 59% das amostras (n=173), DON, ZEA, e FUM, respectivamente. 99% destas amostras contêm níveis das micotoxinas mencionadas dentro dos níveis seguros, razão pela qual o risco de contaminação dos grãos de soja seja é baixo. Da mesma forma, os materiais derivados da colza e da colza também contêm um risco relativamente baixo de micotoxinas. A partir das amostras de colza, dentro da base de dados da Olmix, há uma ocorrência de DON apenas em 9% das amostras, 21% para a FUM e 3% para a ZEA. Todas as amostras encontram-se dentro dos níveis de segurança. Assim, o risco de sementes oleaginosas é de menor importância em comparação com o milho ou os cereais.

Leave a Reply